Por que tantos partidos?

Olhando para os EUA, onde está se não for a maior, será uma das maiores democracias do mundo que tem apenas dois partidos e o Brasil se não me engano tem mais de trinta, eu me pergunto se realmente é necessário esse número sem fim de siglas partidárias que mais confundem do que ajudam o cidadão.
Eu concluo que se uma das mais importantes democracias mundiais tem dois partidos, se no Brasil existissem apenas dois partidos também seria mais do que suficiente.
A impressão que tenho é que no Brasil dois ou três partidos são importantes e disputam as eleições efetivamente e que os outros apenas são meros figurantes de um elenco escolhido pelos eleitores a cada quatro anos.
A decepção instaurada no país a cada escândalo descoberto e a qual os acusados após comprovar sua culpa saem ilesos, deixa uma revolta muito grande nos brasileiros que cada vez mais se sentem frustrados, querendo cada vez menos votar e participar efetivamente da vida politica do Brasil.
Mas tem o outro lado da moeda, ao fazer isso, o eleitor dá margem para que os maus políticos ganhem espaço para que façam coisas erradas. Será que devemos deixar o país abandonado a própria sorte?
Cada cidadão deve repensar sua posição política e, eliminar de sua cabeça, a visão de que as autoridades irão fazer tudo, em resumo, o governo não é o "pai de todos" como  pregava a visão "Getulista".
Numa Democracia, onde o governo do povo, para o povo, o bem comum se sobrepõe ao individual, a vontade da maioria vence. Como dizem: "Não pergunte o que o país pode fazer por você, mas o que você pode fazer pelo seu país". É assim que teremos um Brasil melhor.
Mudanças levam tempo, ainda mais quando são profundas e elas exigem continuidade. Não há mais espaço para o que acontece atualmente, quando entra um novo governo, desfaz tudo que o anterior fez, sem se preocupar em ver o que estava bom e o que estava ruim, o novo chega e muda tudo. O que acho um despropósito, as coisas devem ser feitas com critério.
Quando há mudança de governo, o eleito deve ver o que está funcionando bem e o que precisa efetivamente ser mudado para que não haja desperdício de verbas e de tempo e que estas duas coisas sejam bem aplicadas em coisas que precisam efetivamente de atenção.
Nâo adianta recomeçar tudo por vaidade pessoal, obviamente cada novo governante vai deixar sua marca pelo que fez, onde investiu e o que melhorou.
É hora de cada um de nós, autoridades e eleitores, refletirmos sobre a situação atual do país e ver o que precisa ser efetivamente feito. Nem todas as medidas são populares, ou populistas, as vezes o remédio é bem amargo. Mas é preciso ter a inteligência e a sensibilidade de perceber que mesmo  não agradando a todos tem medidas que são necessárias e que lá na frente os frutos virão para todos.
Jà pensaram nisso?


*Franco Barni (MTB 29942)


*Franco é jornalista há 18 anos e mora atualmente no interior paulista. onde escreve em seu blog

Com os mesmos cuidados

Caros amigos e inimigos,

é com certa preocupação que vejo uma super exposição das pessoas no mundo virtual esquecendo da sua própria segurança. Vou fazer uma perguntinha básica, quem está sentado entre o teclado e a cadeira, usando o computador? Uma pessoa.
 Infelizmente, não sabemos se o ser vivente é uma pessoa de bem ou não então todo o cuidado é pouco.Inúmeras vezes ouvi nos noticiários trazendo informações sobre fraudes, roubos, quadrilhas que promoveram pedofilia, prostituição, golpes financeiros e de várias espécies via internet. ´Como vários amigos já comentaram de familiares ou conhecidos que foram vitimas de golpes, ou que promoveram "uma limpa" na conta bancária, roubaram dados, e por ai vai.
No mundo virtual, não existe diferença, não vai transformar e mudar pessoas, todas vão continuar sendo o que são, seja no chamado mundo real ou virtual. Sei que inúmeras vezes, as emissoras de rádio e televisão em seus noticiários já passaram inúmeras dicas, mas não custa se precaver e relembrar.
Nas redes sociais evite expor rotinas da sua família e lugares que frequenta, se postar uma foto, de paisagens, coloque o lugar, evitando o restante dos detalhes que possam contribuir para munir o malandro de informações.
Nunca dê seu telefone endereço ou qualquer tipo de informação de documentos pessoais a estranhos e nem publique tais dados. Conversem com seus filhos e deixem claro que existem pessoas boas ou mal intencionadas também na internet, mas que é dificil saber quem é quem e que por segurança não deve confiar em ninguém e não passar nenhuma informação da familia para ninguém.
Lembre-se que por segurança dos seus filhos, bloqueie a visita de determinados sites, quando ele for um pouco mais velho e entender, converse com ele e explique as razões. Uma boa conversa sempre vai ajudar. Responder não e porque tem seus motivos vai aguçar a curiosidade da criança, não vai ajudar.
Procure saber com quem seu filho conversa na internet....como quem não quer nada, lembre-se que é a segurança dele e se for algum criminoso, a vida dele pode correr riscos, todo o cuidado é pouco.
Use antivirus atualizado e converse com seu técnico de confiança para ver qual é o melhor e lembre-se de atualizá-lo. Apague e mail de origens desconhecidas e/ou que voce não está esperando. A regra é:"Não sei de onde veio, lixo e em seguida deletar".
Uma dia ao comprar pela internet, procure concluir o negócio pelo 0800, pela sua segurança e evitar de ter transtornos seja com o cartão de crédito, seja com a conta corrente. E mail com promoções de um determinado site, mesmo que famoso, procure ligar ao 0800 e confirmar a oferta, pelas mesmas razões anteriores, e além disso, podem instalar virus na sua máquina, como os spyware que roubam dados...
Tomando esses cuidados, talvez um crime não seja impedido mas, o risco de você se tornar vítima diminui, dificultando a vida de pessoas mal intenciosanadas.

*Franco Barni (MTB 29942)
* Franco Barni é jornalista, começou a usar computadores em 1985.

O Preço dos remédios........


"Vendo o preço dos remédios fico indignado pois este é um produto que recebe tratamento de luxo na tributação quando na verdade em muitos casos, o medicamento é questão de sobrevivência!" Franco Barni, Jornalista.

Caros amigos e inimigos leitores,

No que se refere a saúde, ouço muitos casos de pessoas que precisam de um determinado medicamento e custa uma verdadeira fortuna e que a pessoa não tem condições financeiras de comprá-lo devido ao alto custo e entra na justiça para conseguir algo que é de Direito do cidadão, pagador de impostos e trabalhador.
Saber disso, escutar estes relatos, servem para nos deixar indignados pois vemos que um produto de primeirissima necessidade como os medicamentos, são tratados pelo governo como artigos de luxo, colocando tributação, alta por sinal, nos  remédios.
Se o cidadão precisa dos remédios não é porque gosta, mas na maioria dos casos, são para que esta pessoa tenha qualidade de vida e, tal medicamento pode significar a diferença entre a vida e a morte. Não é justo ver pessoas mais carentes financeiramente e/ou aposentados gastarem quase tudo ou acabarem abrindo mão dos medicamentos por que eles também tem que sobreviver, pagar contas, comprar alimentação e tudo mais o que acaba provocando algo que não deveria acontecer em nenhuma hipótese, eles deixam de comprar o remédio  que pode prejudicar a saúde da pessoa, quando não provoca a morte.
Na minha opinião, o Estado deveria retirar os impostos dos remédios ainda mais dos que são de uso contínuo. Sei de remédios que chegam a custar quatro mil reais como o que é usado para quem tem problemas como os rins que não funcionam e quem precisa do remédio, acaba muitas vezes, recorrendo as vias legais para que o Governo pague o remédio  para ele. Acho um absurdo que estas pessoas devem conseguir via Justiça, porque o governo não cria um caminho mais fácil e menos burocrático?
Sei de países na europa que tem a gratuidade dos remédios e que em outros após um determinado tempo devolvem o dinheiro gasto com o remédio, e a gratuidade em paises onde se paga pelos medicamentos é automática, é só cidadão enviar documentos que comprovem que  ele não pode pagar pelo remédio e o Estado o faz. Isso se chama justiça social...
Sei que nos hospitais públicos entre outros,  distrubuem gratuitamente remédios no Brasil, mas acontece de faltar, quando o remédio é caro, não tem. Tem a Farmácia Popular, mas também é limitado....São exemplos que devem ser revistos e aperfeiçoados....estes exemplos, são válidos mas é preciso melhorar a eficiência deles.
Os governantes precisam se colocar no lugar destas pessoas que fazem verdadeiros milagres para conseguirem ter o medicamento, mas tem hora que o cidadão carente não consegue resolver. Acho justo que a população carente seja mais favorecida, mas o que vejo é que esta parte da população está cada dia mais a margem da sociedade. Será que isso está certo?
Gostaria que um dia toda a sociedade discutisse o  assunto não por modismo, mas com a seriedade que merece. Não podemos deixar parte da população excluida e ao "Deus dará!" não é por ai..... Vamos refletir sobre o assunto e dar a importância que ele merece pois remédio é uma conversa séria!
*Franco Barni (MTB 29942)
Franco Barni é jornalista há 18 anos.

Análise sobre a situação do Brasil e de Lins diante da Leishmaniose


"...Existem pessoas que não sabem viver num mundo onde há diferenças de toda a espécie, inclusive de opinião. Não admitir que sua opinião e sua idéia possa ser um erro, demonstra a total presunção e autoritarismo destas pessoas. A presunção e o autoritarismo e querer ter razão partindo para a ofensa, mostra a ignorância do ser humano, e que a presunção e o autoristarismo são irmãs por serem filhas da mesma mãe! A Ignorância."



Caros amigos e inimigos Leitores.

Trago mais alguns fatos sobre a Leishmaniose e porque sou contra as medidas do governo de combate a Leishmaniose por vários motivos. Um deles é que se deu positivo para Leishmaniose, a ordem é retirar o cachorro do dono e fazer a eutanásia. Já vi muitos serem contra o tratamento para os cães dizem que mudou, mas duvido,o se torna portador da Leishmania. Vamos com calma epor partes, segundo o estudo com especialistas, um deles, o Professor Dr. André Luis Fonseca, veterinário e imunologista  que leciona na UFMS, a Leishmaniose é infecciosa mas não contagiosa, portanto, assim como o ser humano, a leishmaniose não tem cura mas sim tratamento. O cachorro NÃO É E NUNCA FOI EM NENHUMA HIPÓTESE O VILÃO na história, seu pet  é tão vítima quanto o ser humano.
Assim o homem e o cachorro têm tratamento para leishmaniose mas não a cura, por que? Porque a Leishmaniose é um protozoário (Leishmania) que mesmo tomando a medicação, o protozoário não é eliminado do corpo seja do homem, seja do cachorro. A medicação reduz o número de protozoários seja no homem e seja no cachorro, e os dois levam uma vida absolutamente normal. Essa redução no número de protozoários, impede que o cachorro e o homem contaminem os outros cachorros e homens. Mas como então ocorre a contaminação? Ponto número 1) deve-se ter o ambiente propício para  que ocorra o desenvolvimento do protozoário Leihmania e do mosquito palha. Ponto número 2) O mosquito palha, saindo do ambiente contaminado, pica o cachorro, o homem e os infecta com a leishmania, portanto, aqui está o ponto chave. O mosquito palha vem do AMBIENTE CONTAMINADO E NÃO FOI O CACHORRO QUE O CONTAMINOU COM A LEISHMANIOSE.
O ambiente propício é úmido, tem matéria orgânica de toda a espécie, ambientes são terrenos baldios, praças, terrenos da prefeitura, campos que estejam sujos, portanto o que se deve fazer para combater a leishmaniose é acabar com o ambiente propício para o criatório.
Como podemos proteger  familiares e os cachorros? Limpeza nos terrenos, na casa, para que não se tenha o criatório. Segundo, o dono pode e tem o dever moral de levar o cachorro ao veterinário onde ele coletará o sangue do animal e o envia para o Laboratório Adolpho Lutz, dando negativo, seu cachorro pode ser vacinado contra a doença. No primeiro ano são três doses e depois uma dose ao ano de reforço! O grau de eficácia da vacina  chega a 95% é alto índice de proteção a vacina vale a pena. Junto use a coleira Scalibor que deve ser trocada a cada 4 (quatro) meses, e o uso do Spray de citronela.
Quanto aos cachorros de rua, cada cidade, deve ter o centro de zoonozes.  Sugiro que cada prefeitura faça uma parceria com as ONGS de proteção animal, e estes sejam encaminhados para adoção. É necessário fazer inúmeras campanhas de adoção e de posse responsável.
As autoridades que me perdoem, mas devem entender que está na hora de escutar os estudos e corrigir a rota de combateAqui estão:
1) Acabar com a matança  dos cachorros pois eles não são e nunca foram os vilões da Leishmaniose;
2) O Brasil, é o ÚNICO PAÍS NO MUNDO, QUE SACRIFICA OS CACHORROS PARA COMBATER A LEISHMANIOSE, E SEM EFICÀCIA;
3) O BRASIL E SEUS MUNICIPIOS, PRECISAM INVESTIR PESADO EM CAMPANHAS QUE INFORMEM DE FORMA SÉRIA O CIDADÃO SOBRE A DOENÇA E A POSSE RESPONSÁVEL DOS ANIMAIS, A INFORMAÇÃO CORRETA, É A MAIOR ARMA QUE TEMOS CONTRA TODAS AS DOENÇAS, PRiNCIPALMENTE CONTRA A LEISHMANIOSE POIS A SITUAÇÃO É GRAVE.MANTENDO A EUTANÁSIA DOS ANIMAIS PARA COMBATE A LEISHMANIOSE VIOLA O TRATADO DE BRUXELAS SOBRE OS CUIDADOS COM OS ANIMAIS. IMPEDINDO O TRATAMENTO, POR PARTE DO VETERINÁRIO COM A MEDICAÇÃO QUE ESTE ACHAR NECESSÁRIO IMPEDE O LIVRE EXERCÍCIO DA PROFISSÃO.
 4) PONHO EM XEQUE O EXAME REALIZADO PELAS autoridades POIS QUEM ME GARANTE QUE  A, POIS O MAIS GRAVE É QUE O EXAME PODE DAR FALSO POSITIVO, E UM CACHORRO SADIO SER MORTO E FALSO NEGATIVO E O CACHORRO  COM LEISHMANIOSE PERDE A CHANCE DE SER TRATADO.
6) MUITOS VETERINÁRIOS SÃO CONTRA O TRATAMENTO  ALEGANDO QUE O CACHORRO  TRATADO OFERECE RISCO DE CONTAMINAÇÃO POIS SE TORNA PORTADOR DA DOENÇA, E POR ISSO O MAIS INDICADO É A EUTANÁSIA. LENDA, PARA NÃO DIZER MITO! A LEISHMANIOSE TRATADA, O ANIMAL NÃO OFERECE RISCO. MESMO NO  CASO DO SER HUMANO, NÃO HÁ CURA PARA A LEISHMANIOSE, APENAS O TRATAMENTO. SE PENSARMOS DESSA FORMA, O HOMEM TAMBÉM SERÁ PORTADOR DA LEISHMANIOSE, AS AUTORIDADES SEGUINDO A LÓGICA ACIMA O QUE VÃO FAZER? EUTANÁSIA NO SER HUMANO? A IDÉIA É NO MÍNIMO ABSURDA PARA NÃO DIZER OUTRAS COISAS. ENTÃO VAMOS DEVAGAR, MUITA CALMA NESSA HORA DE AFIRMAR COISAS ASSIM.
7) O GOVERNO FEDERAL, PODE FAZER PARCERIAS COM O LABORATÓRIO FORTDOGE, QUE FABRICA A VACINA LEISHMUNE, COM O FABRICANTE  DA COLEIRA SCALIBOR E COM O LABORATÓRIO ADOLPHO LUTZ (SE TIVER OUTRO QUE FAZ O EXAME, FAÇAM O CONVÊNIO) PARA QUE O CUSTO SEJA REDUZIDO, PODE-SE TIRAR OS IMPOSTOS, POIS SE TRATA DE SAÚDE PÚBLICA E É UM CASO SÉRIO.
8) O cidadão NÃO é obrigado  e nem devedeixar entrar os funcionários da prefeitura para coletar a amostra de sangue para exame. Aconselho a fazer o exame da leishmaniose particular, e o dono do animal também não deve assinar o termo da prefeitura....Mesmo que o funcionário chame a polícia pegue o nome deles e apresente reclamação na ouvidoria por colocar você proprietário do animal, em situação constrangedora.
É engraçado  é que aqui em Lins/SP, mesmo usando a eutanásia para os cachorros como forma de combate a Leishmaniose, os casos desta doença, segundo a imprensa local, vem aumentando, como o poder público explica isso? Mas sem colocar a culpa nos cachorros. O problema é a falta de investimento em saneamento básico, limpeza de terrenos e tudo mais. E se o poder público faz isso, é de forma ineficiente.
Informo que disponibilizo o material de pesquisa que fiz, me consulte para os procedimentos para ter o material. Leiam o complemento da Matéria que trás a lei que autoriza o tratamento do cachorro com a medicação humana.
Franco Barni* (MTB 29942)

*Franco é Jornalista há 18 anos, foi colunista do Jornal Correio de Lins, onde seus artigos são publicados toda a quinta feira, na coluna Opinião do Franco Barni

Vacina contra a leishmaniose uma esperança





Ciclo da Leishmaniose







Caros amigos e inimigos leitores,

voces que me acompanham, sabe da minha luta pela causa da Leishmaniose para reverter o quadro a favor dos cachorros que não tem culpa nenhuma na transmissão da doença. segue abaixo artigo que encontrei  no sitehttp://www.ogritodobicho.com/2013/09/vacina-elimina-leishmaniose.html que foi a fonte deste artigo que colocarei na íntegra:

"A questão da leishmaniose está com a solução na reta final.... graças a Deus!!!! Acho que agora é questão de decisão governamental e por este motivo temos que pressionar... Leiam estas duas matérias excelentes:
______________________
A imunização foi criada a partir de proteína presente no DNA do protozoário causador da doença. Testada em ratos, reduziu a carga parasitária em quase 100%. Especialistas acreditam que, no futuro, a substância poderá proteger animais e humanos


 imunização foi criada a partir de proteína presente no DNA do protozoário causador da doença. Testada em ratos, reduziu a carga parasitária em quase 100%. Especialistas acreditam que, no futuro, a substância poderá proteger animais e humanos
O primeiro impacto ao se falar da leishmaniose visceral é a polêmica em torno do sacrifício de animais de estimação que têm a doença — medida exigida pela falta de recursos totalmente eficazes para o tratamento e a prevenção da infecção. Mas a enfermidade também acomete os homens. Ataca as células de defesa e, se não contida, pode levar à morte. A estimativa é de que 12 milhões de pessoas no mundo tenham o problema, que, até hoje, é tratado de forma paliativa. Um grupo de pesquisadores indianos, porém, trabalha em uma vacina que pode barrar os estragos causados pelo Leishmania.

A imunização vem do DNA do próprio parasita causador da doença. A fórmula obteve sucesso ao ser testada em ratos, eliminando grande parte dos agentes infecciosos dos roedores. Mas os pesquisadores trabalham com a possibilidade de usá-la também em humanos. “A leishmaniose é uma doença complexa. Afeta cerca de 12 milhões de pessoas em todo o mundo e 500 mil novos casos são
relatados anualmente. As drogas utilizadas no tratamento são muito tóxicas e caras e, frequentemente, surge resistência contra esses medicamentos. O maior impulso da investigação nessa área é desenvolver uma vacina eficaz contra a leishmaniose visceral”, justifica Amitabha Mukhopadhyay, pesquisadora do National Institute of Immunology de Nova Délhi e integrante do estudo.

Os pesquisadores retiraram uma proteína presente no DNA do Leishmania chagasi que codifica um receptor envolvido com a sobrevivência do causador da doença. O protozoário necessita de ferro para sobreviver, mas não faz isso sozinho. Tira a substância da hemoglobina de seu hospedeiro. Os cientistas modificaram geneticamente a proteína, criando a substância HBR. A vacina com a HBR foi aplicada em ratos infectados com a leishmaniose visceral. “Nossos resultados mostraram que a vacinação com o HBR em camundongos e hamsters inibiu mais de 99% da carga parasitária no baço e no fígado dos animais”, explica Mukhopadhyay. O trabalho foi divulgado hoje na revista científica Science Translational Medicine.

Método promissor
Para a veterinária Valéria Marçal, da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Araçatuba, a vacina de HBR obteve resultados promissores nos testes, o que pode ser explicado pelo método escolhido. “Uma vacina feita de DNA seria uma desvantagem, teoricamente falando, porque esse tipo de imunização é pouco estudado, é difícil saber se acontece a integração dela ao genoma do hospedeiro. Acredito que a escolha da proteína para a modificação foi essencial, já que ela é conservada em todas as espécies de Leishmania e poderia, futuramente, ser usada no tratamento de outros subtipos da doença”, analisa.

Mukhopadhyay também destaca, no artigo, a possibilidade de utilização da vacina em outros tipos de contaminação da leishmaniose. “Nossos resultados demonstram que essa vacina oferece maiores vantagens sobre outras já desenvolvidas porque utiliza uma substância que atua em uma etapa importante no ciclo de vida do parasita e que está presente em várias espécies de Leishmania. O antígeno HBR pode ser um candidato potencial no combate a diferentes formas de leishmaniose”, projeta o pesquisador.

Sydney Silva, veterinário e professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), reconhece os bons resultados do experimento, mas acredita que mais testes deverão ser feitos para uma aplicação clínica da vacina “São resultados muito bons e promissores e devem ser conduzidos em outros modelos da doença. Não dá para prever como a vacina se comportará se testada em cães, por exemplo, porque é uma outra espécie animal com suas particularidades”, declara.
Silva também acredita na possibilidade de que a descoberta culmine também em uma imunização de humanos. “Vale ressaltar que esses resultados animadores foram obtidos em modelos de leishmaniose visceral em ratos e que devem ser confirmados em outros modelos como o cão, primatas não humanos e, finalmente, os humanos. Até lá, muito esforço e tempo ainda devem ser despendido.”

Mais comum em humanos
Existem três tipos de leishmaniose: a visceral, que ataca os órgãos internos; a cutânea, que ataca a pele; e a mucocutânea, que ataca as mucosas e a pele. A doença acomete cães, lobos, roedores silvestres e o homem. tipo mais comum em humanos é a visceral. De acordo com o Ministério da Saúde, de 2000 a 2011, a doença provocou mais de 2.600 mortes em todo o Brasil. 

FONTE: UAI - Saúde Plena
__________________
Com a transferência, a empresa Ouro Fino Saúde Animal passa a poder produzir e comercializar a vacina em larga escala.

A Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) inaugura uma nova fase no tocante à pesquisa e à tecnologia na instituição. Na próxima segunda-feira, haverá a assinatura de contrato de Transferência de Tecnologia entre a UFOP e a Empresa Ouro Fino Saúde Animal Ltda, com a patente “Vacina contra Leishmaniose Visceral Canina”, a LBSap, dos professores pesquisadores Alexandre Barbosa Reis (UFOP), Rodrigo Correa Oliveira (CPqRR-Fiocruz) e Rodolfo Cordeiro Giunchetti (UFMG). 

Com 73 patentes depositadas no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) pelo Núcleo de Inovação Tecnológica e Empreendedorismo (Nite/UFOP), agora a UFOP transfere a tecnologia desenvolvida na Universidade. Com a transferência, a empresa passa a poder produzir a vacina em larga escala e comercializá-la. O evento será no dia 5 de agosto, às 16h, no Centro de Artes e Convenções da UFOP (piso superior).

A leishmaniose visceral canina é uma doença grave, não contagiosa, com desenvolvimento lento e de difícil diagnóstico. A vacina desenvolvida na Universidade possui uma ação preventiva, desenvolvida com antígeno de Leishmania (Viannia) braziliensis, que apresenta muitas vantagens em relação a outras modalidades já existentes, como grande potencial de resposta celular duradoura e efetiva, além de ter um baixo custo de produção que provavelmente se refletirá num valor mais baixo ao consumidor final.

“A expectativa é de que a vacina desenvolvida na UFOP sirva como uma medida de saúde pública no controle dessa zoonose e seja adquirida pelo governo federal para ser aplicada gratuitamente em grandes campanhas de vacinação, a fim de que todos tenham acesso, ou seja, o governo custear a vacinação dos animais nas áreas de incidência da doença”, explica o professor Alexandre Barbosa Reis.

O pesquisador espera que, de dois a três anos, a vacina já esteja “nas prateleiras” para comercialização. “Agora precisamos fazer um ensaio de fase três, feito nas condições de campo com a vacina já industrializada, visto que as duas primeiras fases foram executadas dentro dos laboratórios”. Esse processo será realizado pela empresa Ouro Fino sob a supervisão da equipe do laboratório de Imunopatologia do Nupeb/UFOP (Núcleo de Pesquisa em Ciências Biológicas).

O professor está orgulhoso de estar à frente dessa pesquisa. “Fui aluno de graduação em Farmácia na UFOP, fiquei anos fora. Logo que retornei à instituição como professor, formei um grupo de trabalho e, agora, temos essa vacina pronta. É uma pesquisa genuinamente da UFOP. A transferência da tecnologia é um marco para mim e para a Universidade, servirá de incentivo para alunos e outros pesquisadores, além de dar mais visibilidade ao trabalho desenvolvido na instituição”, afirma. “A sensação de transformar os estudos em laboratório em um produto palpável ao consumidor é o que todo pesquisador deseja”, diz empolgado.

Alexandre Reis descreve, ainda, que a vacina LBSap (Leishmania Braziliensis Saponina) é resultado de um trabalho desenvolvido integralmente na UFOP ao longo de dez anos, com várias pesquisas com teses e dissertações de mestrado na área.

A leishmaniose
A moléstia é transmitida pela picada de flebotomíneo, conhecido como “mosquito palha”. Os sintomas mais comuns nos animais são perda de apetite, emagrecimento rápido, feridas na pele, queda de pelos e perda de movimentos das patas traseiras. Nos cães, a zoonose ainda não tem cura, logo a vacina pode ser uma ferramenta preventiva eficaz. 

A doença também pode atingir os seres humanos. Nas pessoas, os principais sintomas são febre prolongada, perda de apetite e emagrecimento, palidez e fraqueza, tosse seca, redução da força muscular, anemia e até aumento do fígado e do baço. De acordo com o Ministério da Saúde, atualmente, a leishmaniose visceral (LV) humana está distribuída em 21 estados nas cinco grandes regiões do Brasil. De 2009 a 2011, foi registrada a média de 3.704 casos/ano. 

Segundo o professor Alexandre Reis, como os cães são os principais hospedeiros do parasita protozoário (Leihmania chagasi), a vacinação em larga escala desses animais também seria uma medida de profilaxia capaz de reduzir a contaminação nos seres humanos. “Controlando a doença canina, certamente conseguimos controlar a doença humana”, conclui.
FONTE: Portal UFOP

O. Jornalista Franco Barni no Plenário



No dia 17/05/13 O jornalista Franco Barni foi ao Plenário da Cámara,de Lins/SP,  após dois anos de pesquisas sobre a Leishmaniose, apresentou aos vereadores de Lins que a Eutanasia  e o caminho,errado para se combater  doença, e que o cachorro nao e o vilão da história e sim o mosquito palha e os terrenos sujos.....assistam a sessao 

Com que traje eu vou?




O NOVO TRAJE QUE O ELEITOR VAI USAR NA HORA DE VOTAR! KKKKK




Nesses anos todos, não me lembro em nenhum momento, de ter visto tanta lama de escândalos, denúncias de corrupção e os acusados serem comprovadamente após o final do processo, declarados culpados e estes ainda terem a cara de pau de querer fazer e promover uma espécie de "Vale Tudo" na lei para mudar o resultado do julgamento. Como dizia minha saudosa avó: " A culpa morreu virgem porque ninguém a queria!" e o escândalo do mensalão deve se encaixar nesta frase. O que não dá para entender é porque alguns politicos se acham acima do bem e do mal, acima da lei e, o cidadão comum se tirar a casca de uma árvore para fazer chá anti-gripal para a esposa que está doente e de cama com gripe vai preso por crime ambiental, enquanto quem comete crimes de colarinho branco, peculato entre outros continuam ali o poder como se fosse a coisa mais natural do mundo.
Na última quarta feira, dia 18 de setembro de 2013, terminou a votação dos embargos infrigentes, o que dá direito aos réus do mensalão de serem julgados novamente.
O senhor ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello, jogou a última pá de terra em cima da lei, da Democracia, desrespeitando o clamor de seu patrão, que paga seu salário por meios dos impostos. O senhor Luis Roberto Barroso ao dizer que está se "lixando" para a opinião dos brasileiros, também esqueceu que cada cidadão é seu patrão, ontem o ministro Celso de Mello, desrespeitou não só a lei, mas a vontade lícita do povo brasileiro que repito é o patrão dele por pagar seu salário, será que eles esquecem que é para nós que eles devem prestar contas? O Senhor Celso, afirmou que não aceita pressão externa. Não aceita porque? Acredito que como muitos brasileiros, ele nos deve satisfação e, quando os brasileiros pedem dentro da lei, licitude entre outros, ele deve no mínimo ouvir e levar em conta!
As atitudes do Supremo ao votar a favor de um novo julgamento para os acusados do Mensalão, que já foram julgados e condenados pela Justiça e não por mim, dá a clara e nítida impressão de que a justiça no Brasil funciona com dois pesos e duas medidas, funcionando de uma determinada maneira para os influentes e de outra para o cidadão comum.
Sem ofender ninguém por que não preciso disso, gostaria de saber qual a dificuldade em aplicar a pena para quem já foi julgado e condenado? Gostaria de perguntar se a máxima que está na constituição de que todos somos iguais perante a lei ainda vale para os cidadãos ou para alguns brasileiros, e porque?
Nas eleições de 2014, já tomei minha decisão, não comparecerei as urnas, irei justificar e, se eu for, meu voto já está escolhido: NULO!
Infelizmente, estas pessoas perderam a credibilidade comigo, acho uma pena. Mas, uma coisa é certa: com a decisão de ontem, me fez escolher a roupa que usarei no dia da Eleição: O DE PALHAÇO, POIS FOI COMO ME SENTI ONTEM COM O RESULTADO DO STF!
Frase no Facebook: "Para tirar o Brasil dessa baderna?? Só quando Morcego doar sangue e Saci cruzar a Perna!...." Autor desconhecido.

*Franco Barni (MTB 29942)
*Franco Barni, formado em jornalismo há 18 anos, Foi Assessor de Comunicação Social da AgipLiquigás, escreveu para a Revista Tatuapé, Jornal da Móoca entre outros!

UFOP transfere tecnologia de vacina contra leishmaniose canina

UFOP transfere tecnologia de vacina contra leishmaniose canina
AUTORIA DO ARTIGO UFOP (Universidade Federal de Ouro Preto)


01-Ago-2013
Com a transferência, a empresa Ouro Fino Saúde Animal passa a poder produzir e comercializar a vacina em larga escala.
A Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) inaugura uma nova fase no tocante à pesquisa e à tecnologia na instituição. Na próxima segunda-feira, haverá a assinatura de contrato de Transferência de Tecnologia entre a UFOP e a Empresa Ouro Fino Saúde Animal Ltda, com a patente “Vacina contra Leishmaniose Visceral Canina”, a LBSap, dos professores pesquisadores Alexandre Barbosa Reis (UFOP), Rodrigo Correa Oliveira (CPqRR-Fiocruz) e Rodolfo Cordeiro Giunchetti (UFMG). 



Com 73 patentes depositadas no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) pelo Núcleo de Inovação Tecnológica e Empreendedorismo (Nite/UFOP), agora a UFOP transfere a tecnologia desenvolvida na Universidade. Com a transferência, a empresa passa a poder produzir a vacina em larga escala e comercializá-la. O evento será no dia 5 de agosto, às 16h, no Centro de Artes e Convenções da UFOP (piso superior).



A leishmaniose visceral canina é uma doença grave, não contagiosa, com desenvolvimento lento e de difícil diagnóstico. A vacina desenvolvida na Universidade possui uma ação preventiva, desenvolvida com antígeno de Leishmania (Viannia) braziliensis, que apresenta muitas vantagens em relação a outras modalidades já existentes, como grande potencial de resposta celular duradoura e efetiva, além de ter um baixo custo de produção que provavelmente se refletirá num valor mais baixo ao consumidor final.



“A expectativa é de que a vacina desenvolvida na UFOP sirva como uma medida de saúde pública no controle dessa zoonose e seja adquirida pelo governo federal para ser aplicada gratuitamente em grandes campanhas de vacinação, a fim de que todos tenham acesso, ou seja, o governo custear a vacinação dos animais nas áreas de incidência da doença”, explica o professor Alexandre Barbosa Reis.



O pesquisador espera que, de dois a três anos, a vacina já esteja “nas prateleiras” para comercialização. “Agora precisamos fazer um ensaio de fase três, feito nas condições de campo com a vacina já industrializada, visto que as duas primeiras fases foram executadas dentro dos laboratórios”. Esse processo será realizado pela empresa Ouro Fino sob a supervisão da equipe do laboratório de Imunopatologia do Nupeb/UFOP (Núcleo de Pesquisa em Ciências Biológicas).



O professor está orgulhoso de estar à frente dessa pesquisa. “Fui aluno de graduação em Farmácia na UFOP, fiquei anos fora. Logo que retornei à instituição como professor, formei um grupo de trabalho e, agora, temos essa vacina pronta. É uma pesquisa genuinamente da UFOP. A transferência da tecnologia é um marco para mim e para a Universidade, servirá de incentivo para alunos e outros pesquisadores, além de dar mais visibilidade ao trabalho desenvolvido na instituição”, afirma. “A sensação de transformar os estudos em laboratório em um produto palpável ao consumidor é o que todo pesquisador deseja”, diz empolgado.



Alexandre Reis descreve, ainda, que a vacina LBSap (Leishmania Braziliensis Saponina) é resultado de um trabalho desenvolvido integralmente na UFOP ao longo de dez anos, com várias pesquisas com teses e dissertações de mestrado na área.



A leishmaniose

A moléstia é transmitida pela picada de flebotomíneo, conhecido como “mosquito palha”. Os sintomas mais comuns nos animais são perda de apetite, emagrecimento rápido, feridas na pele, queda de pelos e perda de movimentos das patas traseiras. Nos cães, a zoonose ainda não tem cura, logo a vacina pode ser uma ferramenta preventiva eficaz. 



A doença também pode atingir os seres humanos. Nas pessoas, os principais sintomas são febre prolongada, perda de apetite e emagrecimento, palidez e fraqueza, tosse seca, redução da força muscular, anemia e até aumento do fígado e do baço. De acordo com o Ministério da Saúde, atualmente, a leishmaniose visceral (LV) humana está distribuída em 21 estados nas cinco grandes regiões do Brasil. De 2009 a 2011, foi registrada a média de 3.704 casos/ano. 



Segundo o professor Alexandre Reis, como os cães são os principais hospedeiros do parasita protozoário (Leihmania chagasi), a vacinação em larga escala desses animais também seria uma medida de profilaxia capaz de reduzir a contaminação nos seres humanos. “Controlando a doença canina, certamente conseguimos controlar a doença humana”, conclui.

Fonte: UFOP autor UFOP

As medidas absurdas na saude


"Antes antipático do que falso. Afinal o que é ser simpático ? Fingir que gosta de todo o mundo? Então meu caro, se eu não for com a sua cara não conte com a minha simpatia. Chega de confundir falsidade com educação! Dr. House - da série Houe M.D.


Caros amigos e inimigos Leitores,



 É com certa preocupação que vejo a presidente Dilma Roussef, tomar algumas medidas no que diz respeito a saúde e que no meu ponto de vista, não vai trazer nenhum benefício nem a curto, nem a longo prazo. Com todo o respeito a senhora presidente, mas me parece mais uma falácia e fórmula mirabolante para fugir dos reais problemas que afetam a saúde pública no Brasil.
Vamos ver, na minha época de estudante de jornalismo, fui a um hospital no Brás e um outro no Ipiranga e fiquei impressionado com o que vi. O pirmeiro, era óbvio que suas instalações eram ultrapassadas na época em que fui lá, isso por volta de 1994, e o do Ipiranga estava com os forros caindo, e tudo mais, em resumo ambos precisavam de uma grande reforma.
Desde a época de estudante do antigo ginásio e colegial, que eu escuto sobre  a situação caótica que vive a saúde, seus hospitais, postos de saúde, e tudo mais. neste período um casal de médicos que são amigos próximos, haviam prestado concurso público e ambos passaram, assumiram o cargo e quando começaram a trabalhar, sentiram na pele o que é trabalhar em hospital público, onde pensam que o médico é o guru e que tem poderes mágicos para salvar os pacientes. Encontraram falta de condições mínimas de trabalho, porque faltava material básico como gase, luvas, seringas e agulhas entre outros, e até hoje é assim. O que aconteceu? Os médicos citados acima, pediram imediatamente exoneração do cargo, por falta de condições de trabalho e, como sempre, como a corda arrebenta para o lado mais fraco, eles tiraram o time de campo porque não quiseram arriscar perder o CRM (a licença para exercício da medicina) depois de mais de uma década de estudos para se formar e especializar, eu não os condeno pois este que vos escreve e vocês meus caros leitores, provavelmente fariam o mesmo.
Hoje em dia, ainda acontecem as mesmas coisas daquela época, faltam leitos, faltam medicamentos, falta de tudo, inclusive médicos, por que estes profissionais não querem trabalhar nos hospitais públicos sem  ter como trabalhar. É fácil culpar o médico, mas porque ninguém culpa as autoridades que não investem o suficiente para que todos que usam o sistema público tenham como ser bem atendidos e os profissionais condições de trabalhar e atender com qualidade a população?
Nâo adianta construir novos hospitais e postos de saúde, isso dá voto mas, porém, contudo, todavia o dinheiro poderia ser melhor empregado. De que maneira? Ora, é preciso ver as condições dos hospitais públicos que existem, reformar os  prédios que valem a pena e os condenados, devem ser derrubados e construidos outros no lugar, estes hospitais devem ser bem equipados e, quando um aparelho quebra, não pode ficar meses a fio esperando a boa vontade de uma licitação para consertá-los. COmo o atendimento deve ser agilizado. De que maneira? Contratando médicos brasileiros, com uma remuneração justa e dando condições para atender de forma eficaz os pacientes.
Um ponto importante e que não posso deixar de fora, é que não adianta deixar vários hospitais bons mas particulares e, acima de tudo, concetrados na região sudeste e sul do Brasil. é preciso levar a mesma qualidade na saúde para todo o país e, ao contrário do que a senhora presidente pensa, não faltam médicos no país. O que falta, é uma coisa que venho dizendo desde o início do artigo. FALTA DE CONDIÇÕES DE TRABALHO PARA O MÉDICO!
Eu mesmo senti na pele quando fui buscar um medicamento no posto de saúde aqui na minha cidade, em nenhum deles tinha o medicamento e, para resumir a estória, tive que passar por outra consulta para ter um remédio similar. Eu me pergunto o que acontece com as pessoas que não podem comprar um remédio caro  e de uso contínuo e dependem dos postos de saúde para ter o remédio de graça? Se for o caso, a pessoa morre se faltar o remédio para o coração? Olhem a situação absurda!
Agora é engraçado, dinheiro para a Copa do mundo e para as Olimpíadas não faltou, foi feito tudo a toque de caixa e porque não fazem isso com coisas mais importantes como a saúde, habitação, transporte público e segurança? Será que é porque não dá voto? Ou trazer os eventos citados são mais importantes do que a vida dos brasileiros?
Aí, as autoridades dizem "Está Faltando médico? Vamos trazer os profissionais de Cuba", ou de qualquer outro país.........sou contra, o governo não se dá conta do papel ridiculo? Outra coisa que não adianta é obrigar o recém formado a trabalhar por dois anos na rede pública de saúde, isso é paleativo além de não resolver o problema.
É preciso por parte das autoridades eleitas, levarem mais a sério a situação gravissima que se encontra a saúde, que está na UTI em coma, quase morrendo. Como se faz necessário a população continuar com as manifestações pacificas e dentro da lei e da ordem, cobrando as melhorias necessárias para que o Brasil possa efetivamente crescer. Claro que nem todas as medidas, serão populares que não vão ajudar assim como as populistas e eleitoreiras. Não adianta, fazer da saúde uma bandeira de campanha e na hora que o candidato é eleito, ele esquece o assunto. Nunca vi nosso querido país tão à deriva e sem comando como nos últimos anos.
Nós cidadãos e eleitores, temos uma grande arma para tirar os maus políticos do poder é o voto. Temos que votar com consciência, não devemos vender o voto e tudo mais. Devemos agir com sabedoria neste assunto e em vários outros. Um Brasil melhor, depende de cada cidadão que vota.



*Franco Barni (MTB 29942)
*Formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu da cidade de São Paulo, escreve todas as quintas em sua coluna no Jornal de sua cidade  "Correio de Lins".

Alguns esclarecimentos sobre a Leishmaniose


"Não admitir a evolução e as novas descobertas da ciência na parte da medicina é negar o direito a cura. Negar a informação verdadeira sobre um fato e uma doença, talvez não seja crime perante a lei, mas o é diante da sociedade que merece saber a verdade doa a quem doer, mesmo contrariando opinôes de quem não é a favor da cura de uma doença!" Franco Barni

Link de casos sobre a Leishmaniose que foi tratada.

http://www.cvbdwebconference.com/web/newsletters/03/es/index.php?id=5615&email=pernalac@gmail.com&sec=ver&media=web&idioma=es


Caros amigos e inimigos leitores,



Há algum tempo venho fazendo investigações e pesquisas sobre a leishmaniose para saber o que está fundamentado ou não. Cada descoberta me animou, pois consultei pesquisas de Médicos Veterinários que são professores Doutores em Imunologia, Especialista em Clinica e Cirurgia Pequenos animais como o Dr. Paulo Tabanez e o Professor Andre Luiz Soares da  Fonseca, da Universidade Federal do MS - UFMS de Campo Grande.
Enfim, vou aproveitar para esclarecer a população pois, moralmente, tenho o  dever e a obrigação  como jornalista em trazer esclarecimentos a população e, principalmente aqui na cidade de Lins. O maior mito sobre a Leishmaniose é que ela não tem tratamento para o cachorro e que este é o grande culpado, o vilão da história.
A verdade é que as cidades que tem o surto da leishmaniose é porque tem o ambiente propicio para a propagação da doença. Assim como acontece com a dengue, a Leishmaniose tem seu criatório do protozoário Leishmania e do Mosquito Palha, que é o verdadeiro vetor (transmissor) da doença. Esta doença é infecciosa mas não contagiosa.
A prevenção para evitar a doença é em primeiro lugar a cidade deve executar e manter praças e terrenos públicos limpos, e o cidadão deve manter a casa limpa. Quem tem terreno, deve providenciar a limpeza dele, pois a sujeira, ambientes úmidos, matéria orgânica entre outros criam o ambiente perfeito para o protozoário da Leishmaniose (leishmania) e do mosquito palha. podemos concluir que o sistema de contaminação é parecido com o da Dengue que tem como seu principal vetor (transmissor) o Aedes Egyptis. No caso da doença em questão, o mosquito contaminado com o protozoário Leishmania, sai contaminado de seu ambiente, picando o cachorro e os familiares que possuem o cachorro, infectando o animal e as pessoas, o que podemos concluir que o cachorro não é o vilão que passa a doença, o mosquito palha saiu de seu ambiente já contaminado e transmitiu a doença a todos.
Como proteger os animais de estimação? Em primeiro lugar a limpeza da casa deve ser constante, em segundo lugar, o dono deve levar o cachorro a seu veterinário de confiança e este providenciará o exame que é enviado ao laboratório na capital paulista, o Adolpho Lutz, o mais capacitado para tal exame. Lá eles fazem a prova e contra prova e, uma vez o exame dando negativo para a leishmaniose, seu cachorro estará apto a ser vacinado contra a Leishmaniose. Sim, existe a vacina, que se chama Leishmune do Laboratório FortDodge que tem a eficácia acima de 90%, para ser preciso a proteção chega a 95% deve-se usar a coleira repelente do Mosquito Palha, a Scalibor encontrada nos Pet Shops, veterinários e lugares que vendem produtos para cachorro e a validade da coleira é de 4 (quatro meses). Junto com isso, existe o Spray de citronela desenvolvido para ser aplicado nos cachorros, a citronela espanta os mosquitos e protege seu cão. Deve ser aplicar o spray de citronela de manhã e a noite.
O cachorro contaminado, vai passar a doença para mim? Se o exame der positivo posso tratá-lo? para a primeira pergunta a resposta é não, ele não passará a doença para você pois a Leishmaniose não é contagiosa. E para a segunda pergunta a resposta é sim, mas, porem, contudo, todavia o tratamento é possivel se os rins, Medula óssea e fígado já não estiverem apresentando problemas, em resumo é tratável se for descoberta no estágio inicial. Mas, assim como acontece com o ser humano, o cão se torna portador, uma vez que o protozoário Leishmania não é eliminado totalmente seja no homem, seja no cachorro. Então, o ser humano e o cachorro que passaram por tratamento se forem picados novamente, irão transmitir a doença? Segundo a pesquisa (e foi comprovado) realizada pelos veterinários citados acima, eles não transmitirão a doença porque a queda de protozoários leishmania cairão de forma drástica na corrente sanguinea, não oferecendo riscos de contaminação.
A Vigilância bate na porta da minha casa, sou obrigado(a) a deixar eles recolherem o sangue de meu cachorro para que seja feito o exame de Leishmaniose? Não, em nenhuma hipótese, pois eles não podem entrar na sua casa se você não permitir e muito menos recolher amostra de sangue de seu animal, pois segundo informações de advogados, o cachorro é considerado propriedade do cidadão e éste tem o livre arbítrio para deixar ou não a equipe recolher o sangue do animal. O que é desaconselhável, além da questão legal, muita gente questiona e eu também a idoneidade do exame feito pelas prefeituras. Quem me garante que o exame foi para o Laboratório na Capital Paulista, o Adolpho Lutz e, quem me garante que o exame e a amostra do meu animal não foi trocado? E, por fim, muitas doenças nos animais, como por exemplo a doença do carrapato tem os sintomas parecidos com os da Leishmaniose, portanto, o resultado dos exames dos órgãos municipais  na minha opinião são duvidosos!
A Eutanásia dos cachorros, não reduz a contaminação e proliferação da Leishmaniose, até agora a carnificina e a matança indiscriminada dos cães, não mostrou nenhum resultado positivo na redução da doença. Até o dia 17 de janeiro de 2013,  o uso de medicamento humano no tratamento da leishmaniose Visceral Canina (LVC) era proibido.
Mas Graças a Ação Judicial da Ong de defesa animal Abrigo dos Bichos, obteve na data citada,  Uma decisão favorável da Justiça Federal da 3ª Região, em Sâo Paulo Capital, permitindo o tratamento dos cachorros contaminados com Leishmaniose usando a medicação humana, declarando ilegal a Portaria Ministerial 1426/2008 - MAPA esta portaria proibia como já foi dito além da medicação humana para tratamento da LVC ou de produtos não registrados no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento.
A Justiça Federal entendeu que a Portaria citada, atinge em cheio a legislação que  garante o livre exercício da profissão de veterinário, assim como as leis de meio ambiente. A Justiça Federal entendeu e reconhece que "Cabe ao veterinário decidir acerca da prescrição do tratamento aos animais, bem como quanto aos recursos humanos e materiais a serem empregados." A proibição do tratamento, afeta a Constituição Federal, a Declaração de Bruxelas e as leis de proteção à Fauna conduzem-se no sentido de proteção tanto da vida como contra os maus tratos. A proibição do uso de medicamento humano e dos não registrados para, tratar ou evitar a doença em questão, desde que tenha sido prescrita por um veterinário,  foi entendida como séria violação e desrespeito aos estatutos mencionados. Aqui cabe mais uma informação. O BRASIL É O ÚNICO PAÍS DO MUNDO QUE SACRIFICA OS CACHORROS COMO FORMA DE COMBATE A LEISHMANIOSE! E SEM SUCESSO POIS OS CASOS SÓ TEM AUMENTADO.
É preciso que a população faça sua parte quanto a limpeza e que principalmente as autoridades Federais, Estaduais e Municipais  Cumpram a risca a determinação da Justiça Federal e a acate. O Estado deve combater os focos da doença, palestras educacionais de combate a Leishmaniose seja para o cidadão, seja para os funcionários que combatem a doença.
Quero concluir dizendo que todo o material da pesquisa está aqui comigo disponível seja para as autoridades, seja para o cidadão que tem seu cachorro e quer saber mais sobre a doença. E que estou disponível para ministrar palestras sobre o assunto. Desde já agradeço aos leitores e a todos.


*Franco Barni (MTB 29942)
*Franco Barni é jornalista e escreve toda a quinta feira em sua coluna "Opinião do Franco Barni" no Jornal Correio de Lins.


O BRASIL E A INJUSTIÇA DA MEDICAÇÃO

 No "país dos impostos", os remédios para nós, seres humanos, são taxados em mais que o dobro dos produtos de uso veterinário, o que originou esta sensacional FRASE de Joelmir Beting no Jornal da Band:   "Se você entrar na farmácia tossindo, paga 34% de imposto; se entrar latindo, paga só 14%."




Caros amigos e inimigos Leitores,




aquele que nunca precisou de remédios para fazer um tratamento, que atire a primeira pedra. Algum dia, por determinado motivo, usamos os remédios. Desde para curar uma dor de cabeça, gripe até os de tratamento de câncer, para diabetes e tudo mais.
Como voces viram na frase do saudoso jornalista e comentarista econômico da TV Bandeirantes, os impostos altos impostos sobre os remédios de uso humano, principalmente em comparação ao medicamento de uso veterinário, é injusto e não deveria ser assim. Alguns podem até dizer que tem que se recuperar o investimento nas pesquisas para criar determinado remédio, royaltes da marca....impostos. O que eu vejo é que os preços de alguns remédios são absurdos e, a gratuidade que deveria ser um direito, não o é de fato, pois o cidadão deve entrar na justiça. O Governo criou os Genéricos que tem o mesmo principio ativo, mas segundo informações, nem todos tem a mesma eficácia do remédio original. Eu mesmo com o remedio para pressão, usei o genérico do remédio que uso e não teve eficácia do original, a minha pressão subiu mesmo tomando o genérico com as mesmas miligramas do original.
Soube de um caso  de uma senhora em minha cidade que trabalha em um posto de saúde da prefeitura e ela precisa de um medicamento para a diabetes que custa cerca de quatro mil reais e o governo negou pagar a medicação por ela ter plano de saúde a situação é no minimo absurda.
Fazendo uma analogia com a cesta básica, que não deveria pagar nenhum tributo, assim como acontece nos EUA, os remédios também não deveriam pagar impostos, pois são coisas de primeira necessidade, ninguém vai usar remédio porque gosta ou acha lindo, ou fica doente por que quer. É preciso que o governo reveja seus conceitos neste aspecto, pois não adianta distribuir a medicação genérica na farmácia popular, quando poucos tem a mesma eficácia do original.
Na Itália, os remédios são distribuidos de forma gratuita para quem quer que seja, independente de classe social, nada mais justo. EU me pergunto o que acontece com uma pessoa que tem poucos recursos financeiros como faz para comprar um remédio que custa caro, ou ainda um aposentado que gasta mais da metade de seus benefícios na farmácia e que se não for a familia ajudar, ele é obrigado a trabalhar novamente para conseguir pagar pela medicação.
Caros leitores, precisamos criar alternativas para que a assistência médica pública e a distribuição de medicamentos seja repensada de forma séria e não criar fórmulas mirabolantes e malucas para resolver estes problemas. Soluções simples e eficazes na maioria das vezes são a melhor saída. Da maneira que está hoje, é uma injustiça social que só quem pode pagar tem acesso aos melhores médicos e remédios.
Podem até dizer que até hoje em minha coluna só apresentei criticas, mas nunca fiz isso sem apresentar uma idéia e, além do mais, as atitudes das autoridades eleitas e as soluções deles para resolver problemas, não tem sido uma maravilha. Sei que tocar na ferida não é agradável, mas é preciso pois só assim podemos ir em busca das melhores alternativas para que o acesso a serviços de qualidade seja feito de forma mais justa. Não podemos mias fazer como o avestruz que esconde a cabeça no buraco, precisamos encarar os problemas de nossa amada nação  para que um dia, o Brasil se transforme num país mais justo e melhor!




*Franco Barni (MTB 29942)
* Franco é jornalista, e tem uma coluna publicada toda a quinta feira no jornal Correio de Lins (publicação da cidade de Lins/SP)


2014, ELEIÇÕES E A COPA DO MUNDO


"A prudência persiste em saber reconhecer a natureza dos inconvenientes, aceitando como bom o menos mal." Nicolau Maquiavel foi poeta,  historiador, diplomata, músico e muito mais do que isso, um pensador e fundador da ciência política moderna.(Florença 3 de maio de 1469 - Florença, 21 de junho de 1527.





Caros amigos e inimigos Leitores,





No próximo ano, 2014 acontecerão dois eventos importantes: A copa do Mundo que o Brasil será a sede e as eleições Majoritárias em nosso país. O que tem a ver uma coisa com outra? Muita coisa. Os maus politicos é bem provável que vão querer se aproveitar da Copa do Mundo para fazer mudanças ou coisas que não queremos enquanto estaremos distraídos com  Mundial de futebol e, se o Brasil for campeão, vai saber o que vai acontecer politicamente.
Caros Leitores, sei que muitos gostam da Copa do Mundo, eu me incluo mas, não podemos nos desligar totalmente do que acontece em nosso país, devemos ter a cautela de saber conciliar este evento com as notícias do Brasil, especialmente no que se refere a política, pois temos que enxergar quem é quem nas autoridades eleitas e não eleger quem não merece seu voto.
Caros leitores, sei que não é fácil votar, mas na minha opinião, eu aconselho a não dar muito crédito as pesquisas, pois questiono sua validade e só Deus sabe se elas não estão contaminadas para que o eleitor seja induzido a votar neste ou naquele candidato. Não estou afirmando que todas as pesquisas estarão contaminadas ou que serão tendenciosas, mas que devemos desconfiar sempre e não votar de acordo com elas mas, sim, em um candidato que tenha um plano de governo a qual acreditamos que pode dar certo, independentemente do que dizem as pesquisas.
Mais uma coisa importante, mudar o país depende de cada um de nós e as mudanças não serão do dia para a noite, e se faz necessário a continuidade de colocar gente competente e séria para que possa realizar as reformas que o Brasil precisa, e temos que estar conscientes de que algumas medidas não serão populares mas que lá na frente estas medidas irão beneficiar a todos os brasileiros.
É muito importante voce, eleitor se conscientizar  de que não deve "vender" seu voto em troca de esmolas, como bolsas familias da Vida e tudo mais, seu voto é muito valioso e ele pode decidir por mudanças boas ou ruins. Participar do pleito de forma consciente, estudando a vida pública do candidato e  do partido se faz necessário pois só assim podemos trazer um futuro melhor para nós, e para os filhos e netos.
Acho que é sadio a seleção brasileira de futebol despertar nossas brasilidade e tudo mais, mas essa brasilidade deve ser cultivada todos os dias, temos que ser cidadãos conscientes em todos os sentidos e de forma muito ampla. Temos que ter a sabedoria de perceber que nossa participação politica não começa e nem termina nas urnas quando digitamos nosso voto, aliás nossa participação política começa nas urnas ede forma ciclica voltamos para votar eleger e reeleger candidatos que realmente nos representarão de forma digna e séria, quem se candidatar e não estiver dentro da ética, da lei e tudo mais, estes não merecem o voto de nenhum de nós e a mim estes politicos ruins não me representam.
A politica é uma via de duas mãos, não podemos esperar nenhuma mudança se o povo dentro da legalidade, civilidade e do que é licito não cobrar as autoridades. Fazer manifestações pacíficas e dentro da legalidade tem meu apoio, agora quando os manifestantes se exaltam, promovem quebra quebra, cometem vandalismos perdem a razão e não tem meu apoio.
Temos que ter a sensibilidade de perceber que não temos mais tempo a perder e eleger representantes que vão trabalhar seriamente pelo Brasil, de forma integra e lícita. A Copa do mundo é importante? Sim, mas não é mais importante do que participar da vida política de seu país e não deixar que você seja enganado por candidatos mau intencionados.
Vamos refletir bastante sobre o assunto, e tentar escolher representantes melhores para que o nosso amado Brasil creça de forma consistente e solida. Precisamos urgente votar bem para ter um Pais melhor!! Vamos em Frente.




*Franco Barni (MTB 29942)
*Franco Barni é jornalista  há 18 anos e escreve toda a quinta feira para o Jornal Correio de Lins.